Morte de Steve Jobs . Confira suas frases marcantes!

A figura-símbolo do inovador de nossos tempos, revelou seus métodos e paixões em depoimentos e entrevistas. A seguir, algumas de suas frases marcantes:

Época NEGÓCIOS

Nidin Sanches

O INOVADOR
Steven Paul Jobs, 55 anos, eleito CEO da década pela revista Fortune em 2009. Visionário, genial, arrogante e polêmico, é a personificação da inovação bem-sucedida no último decênio. Budista, vegetariano, fã de Bob Dylan, fundou a Apple Computer Inc. em 1976

>>> “Não tenho planos de me aposentar. Eu não vejo a minha trajetória como uma ‘carreira’. Eu faço coisas. Eu respondo a coisas. Isso não é uma carreira – é uma vida.”
>>> Time, abril de 2010

>>> “Meu trabalho é inspirar pessoas. É criar espaço para elas, abrir clareiras criativas no meio da burocracia corporativa.”
>>> Macworld, fevereiro de 1984

>>> “Os processos tornam a empresa mais eficiente. Já a inovação nasce das pessoas no corredor, ou umas ligando para as outras às 10h30 da noite quando tiveram uma grande ideia, ou se deram conta de furos no modo como estávamos pensando. A inovação nasce de reuniões de meia dúzia de pessoas, feitas no calor da hora, quando alguém descobriu o jeito mais insanamente genial de fazer algo.” >>> Business Week, outubro de 2004

>>> “Quando um carpinteiro constrói um belo armário, ele não usa madeira ordinária no forro. Para dormir tranquilo, usa madeira boa. Isso o deixa feliz. É a estética e a qualidade que o movem. Eu sou acima de tudo um artesão.” >>> Playboy, fevereiro de 1985

>>> “Quando você examina um problema e acha que ele é simples, você não se deu conta de quão complexo ele é. Depois que você mergulha no problema… percebe que ele é complicado e começa a encontrar muitas soluções rebuscadas. É aí que a maior parte das pessoas para. Mas alguém realmente bom vai continuar, vai descobrir o problema que está por trás de tudo e encontrar uma solução elegante que funcione em todos os níveis.” >>> Billboard, janeiro de 2004

>>> “Os grandes artistas, em algum ponto da carreira, tiveram a opção de repetir uma fórmula de sucesso, e continuar sendo amados pelo público. Mas fazendo isso eles se odiariam, e preferiram correr o risco do fracasso. Bob Dylan e Picasso sempre correram esse risco.” >>> Rolling Stone, dezembro de 2003

>>> “Eu sou um sortudo. Meu pai, Paul, era um sujeito extraordinário. Ele nunca terminou o colegial. Quando eu tinha uns 6 anos, me deu uma caixa de ferramentas, e passávamos horas na garagem, ele me mostrando como construir coisas, desmontar coisas e recolocá-las no lugar.” >>> Entrevista ao Instituto Smithsoniano, abril de 1995

>>> “Não é uma questão de influência pop, ou de convencer o público a usar algo de que não precisa. O que nós fazemos é descobrir produtos que estaríamos loucos para usar. Eu acho que somos muito bons nessa disciplina.” >>> Fortune, março de 2008

>>> “Sempre me senti mais atraído pelas mudanças revolucionárias. Eu não sei por quê. Talvez por serem mais difíceis. São muito mais estressantes emocionalmente. E sempre há aquele período em que todos em volta dizem que você quebrou a cara.” >>> Rolling Stone, junho de 1994

>>> “Eu não faço pesquisa de mercado. A gente investe bastante estudando nossa base instalada de usuários. Também prestamos atenção às tendências da indústria. Mas, no fim, é muito difícil criar algo com base em grupos de foco. Na maioria das vezes, as pessoas não sabiam que desejavam uma novidade até você mostrá-la para elas.” >>> Business Week, maio de 1998

>>> “Para criar um design realmente bom, você tem de compreender a coisa. Tem de internalizar a essência dela. É preciso um envolvimento apaixonado para compreender a coisa em sua totalidade, mastigá-la completamente e não apenas engoli-la rápido. A maior parte das pessoas não se permite tempo suficiente para fazer isto.” >>> Wired, fevereiro de 1996

>>> “Todo mundo em Hollywood diz que a chave das boas animações é história, história, história. Mas na hora H, quando o enredo não funciona, eles não param a produção, e gastam um pouco mais de dinheiro para consertar a história. Isso também acontece na indústria do software. Todos dizem que o usuário é o mais importante, mas ninguém age de acordo com essa crença.” >>> Fortune International, fevereiro de 2005

>>> “A verdadeira questão, na hora de contratar alguém, é: essa pessoa aqui na minha frente vai se apaixonar pela Apple? Porque, caso se apaixone, tudo fica fácil. Recrutamento é como achar uma agulha no palheiro. Eu participei da contratação de mais de 5 mil pessoas na vida. E levo isso muito a sério. Não dá para ter certeza em uma hora de entrevista, então, no fim, o que decide é o instinto.” >>> Fortune, março de 2008

>>> “Meu médico me aconselhou a ir para casa e pôr mi¬nhas coisas em ordem, que é o código dos médicos quando querem dizer ‘prepare-se para morrer’. Significa ‘tente dizer a seus filhos, em poucos meses, tudo que você teria a dizer nos próximos dez anos’. Significa fazer as suas despedidas.” >>> Na Universidade de Stanford, sobre a descoberta, em 2004, de um tumor maligno no pâncreas

>>> “Ser demitido* foi a melhor coisa que me aconteceu. O peso do sucesso foi tirado dos meus ombros, e substituído pela leveza de ser, de novo, um iniciante, sem muitas certezas a respeito de nada. Foi duro, como um soco no estômago, porém me libertou. Entrei no período mais criativo da minha vida”. >>> Na Universidade de Stanford, em junho de 2005. *Em 1985, Jobs foi forçado a se exonerar da Apple pelo conselho da empresa que fundou

Robyn Twomey
Anúncios