Eva sem costela

Coisas que as mulheres fazem melhor do que os homens

Millôr Fernandes
(Adão Jr.)


Muita gente pensa que quando mostro todos os defeitos que mostro nas mulheres estou demonstrando definitivamente que as filhas de Eva são em tudo piores que os filhos de Adão e que jamais conseguirão fazer alguma coisa melhor que os indivíduos que vestem calças compridas. Está claro que isso não é verdade. Como é verdade clara que na maioria das vezes as mulheres estão realmente aquém, muito aquém mesmo das coisas conseguidas pelo homem, de modo que realizam apenas a metade do que estes conseguem realizar quando se metem a medir forças com eles.

Mas em determinadas coisas muito particulares — as exceções da regra — elas se mostram de uma eficiência que os homens nem conseguem imitar. Demonstrando isso dou abaixo uma lista das coisas admiráveis que a mulher consegue fazer:

1) Economizar em coisas úteis e gastar em coisas inúteis.

2) Colocar na cabeça o mais ridículo dos chapéus e achar que está elegantíssima.

3) Mandar descer milhares de peças de fazenda das prateleiras de uma loja e no fim não comprar nem um metro.

4) Colocar um maiô de dez centímetros e achar que está bem vestida.

5) Falar durante duas horas e não dizer absolutamente nada.

6) Enganar o cônjuge sem que este jamais suspeite de que está sendo enganado.

7) Usar um sapato apertadíssimo apenas porque o acha elegante; só desmaiar de dor quando chega em casa.

8) Tomar banho demoradamente e depois sujar a cara com baton, rouge, pan-cake, e outras drogas.

9) Fingir irritação quando alguém desconhecido lhe diz um elogio quando na verdade está contentíssima.

10) Ter medo de uma mulher sozinha e não ter medo de dez homens juntos.

11) Cruzar as pernas mostrando-as bem, e depois ficar irritada porque alguém as olha.

12) Elogiar tremendamente uma amiga e logo às suas costas dizer “tudo que sabe delas” — e acrescentar alguma coisa ainda por sua própria conta.

13) Aborrecer um gerente de loja até que ele lhe deixe mais barato cinqüenta centavos um metro de fazenda que custa trezentos cruzeiros.

14) Não fazer nada durante toda a existência e não se sentir inútil.

15) Participar dos feitos e glórias do marido ou coisa que o valha sem participar dos riscos do fracasso.

16) Mudar a cor do cabelo preto para vermelho e exclamar: “Detesto chamar a atenção dos outros”.

17) Conversar na intimidade coisas que fariam corar um frade e protestar em altos brados quando insinuamos ao de leve qualquer coisa mais livre.

18) Chorar a qualquer momento em que for preciso.

19) Arrancar as sobrancelhas todas e depois fazer outra a lápis .

20) Perseguir um homem dando a impressão de que foge.


Este texto foi publicado na revista “O Cruzeiro” de 01 de fevereiro de 1947, pág. 86, como sendo de autoria de “Adão Jr.”. João A. Bührer d’Almeida localizou-o em seus “Arquivos Implacáveis”, procurou daqui e dali e acabou descobrindo, conforme consignado na enciclopédia Delta Larousse, que se tratava de mais um pseudônimo de Millôr Fernandes. Ao caro João Antônio nosso muito obrigado pelo envio do material.

Anúncios