EU TAMBÉM JÁ…

Se o euja.blogspot.com não fosse um blog pornô, eu mandaria isto:

– Eu já me encolhi na cadeira para não ser cumprimentado por políticos, não adiantou;
– Eu já me enganei, reconheci que estava enganado, tempos depois descobri que se tratava de novo engano, até hoje não sei direito se estava certo ou não;
– Eu já morri de amor, várias vezes;
– Eu já fiquei muuuuuitos finais de semanas sem dizer uma única palavra, quanta saudade dessa época;
– Eu já me apaixonei perdidamente por uma canção;
– Eu já tive vários vícios. Todos gramaticais;
– Eu já fiquei 12 anos sem ver TV, explico, só nessa idade vi uma TV pela primeira vez, se só tivesse visto uma na semana passada, teria sido melhor;
– Eu já escrevi mais de trinta livros inteirinhos na cabeça e não coloquei no papel por pura preguiça;
– Eu já fiquei tão orgulhoso de minha humildade;
– Eu já quis mudar o mundo. A primeira medida seria nomear Presidente do Brasil, a Elke Maravilha;
– Eu já fui ateu e recuperei a fé. Com fé é melhor;
– Eu já fiquei um dia inteiro sem ler, tive crise de abstinência, fui salvo por uma bula de AAS;
– Eu já achei que era um gênio. Na época eu morava em uma garrafa;
– Eu já assisti um casamento em árabe. Pelo menos imagino que era um casamento. Árabe tenho certeza que era;
– Eu já li fazendo tudo o que se possa imaginar inclusive dirigindo e escrevendo outro texto. Vício é vício;
– Eu já fui a um show de música breganeja. Todo mundo cantava com a dupla e eu não sabia uma sílaba das canções, me senti um analfabeto;
– Eu já compus alguns choros;
– Eu já fiz vários filhos mas até agora nenhum nasceu;
– Eu já vi a morte, felizmente ela não me viu, é míope, a coitada;
– Eu já planejei o que vou fazer quando chegar ao céu;
– Eu já fiz uma letra para um forró baseada no equívoco de que mané pelado é feito de milho. Para consertar foi uma trabalheira;
– Eu já caí da cama algumas vezes quando abandonei a rede, aos vinte anos. Até hoje não entendo por quê dorme-se em camas;
– Eu já quis bater um papo com Leibniz, na verdade ainda quero, tem umas questões ali – nos Novos Ensaios… – que só conversando com o autor mesmo;
– Eu já fui vítima de um acidente que quase me traumatizou. Tratava-se de um dobrado sustenido que me fez, por muito tempo, tocar uma peça de Villa-Lobos com uma nota errada;
– Eu já fui gordo e já fui magro. Magro é melhor;
– Eu já fui muito mais besta do que hoje, melhorei muito, o que, no caso de um humorista, é piorar.
*hoje é só isto, como diz meu sobrinho, tô canchado

César Miranda

Anúncios