Dois dias de mim…

*SÃO 4:27 DA MADRUGADA e amanhã tenho que acordar às 6:30, mas escrevo por abdicar de meu sono, meu pudor,e também pelos 327 elogios do perfil 1. O que direi aqui é resultado de uma conversa de 4 horas com 3 amigos meus aqui na frente de casa…
-Quando nós, simples viventes, apreendermos um pouco do mundo e das pétalas suaves da dor, só precisarei que lembres que um dia você vai chegar à mesma conclusão que eu com o que direi. Como falo, às vezes demora muito tempo para chegar nessa compreensão, às vezes é rápido, e quase sempre morremos sem nunca alcançá-la… “A imagem (mansão, carrão, bebida, empregasso, ser patrão, importante) não alimenta sua vida, nem mesmo chega perto do sentir o amar, apenas destrói; o dito “dinheiro” não constrói uma relação de afeto decente, pulveriza”. É o uso que você faz do amor que o faz acontecer e brilhar. É a relação, o afeto que deve ser seu “investimento”, sua luta, não a imagem e o dinheiro para se mostrar aos outros. (Por mais que crescemos “intelectualmente”, escutando todas essas inverdades; a “emoção” aprende devagar, as escolhas as x impulsivas. O coração precisa apanhar, outras endurecer, outras morrer). Quem sabe precisamos aprender o que vários pobres, bêbados, loucos e errantes já relataram. Que você pode ser feliz por você e não “pelo e para” os outros, para mostrar “o que é” e “o que tem” para os “outros”, mostrar pros outros que “pode””. A busca desenfreada de não fazer por si, mas para “ter aprovação” dos outros. Sim aquele amigo style, aquele menina que tais apaixonado, aquele chefe filha da puta, aquele pai que cobra seu desempenho, aquela galera que espera seu feito histórico com aquela baranga. Só aí verá que só festa, só comer mulher, enxer a cara de cerva, fazer cagada no trânsito, xingar aquela feiosa por não ter a capacidade de conquista-la, ter aquele celular câmera/flash 5.0mp, aquela camisa triton de 192,00, é fútil… Nada traz pra você além do momentâneo (prazer, dever e ilusão). E depois meu caro, o mais “puro vazio”. Trocar saliva (beijar) ou fluidos com uma mulher para mostrar para os amigos é nada, é tempo perdido, é se “encher de vazio” (e nojento). Quem se apaixona e sente o prazer desse sentimento, que o pode dizer melhor do que eu. Nada importa depois disso.
Digo que, quando você sentir o que é passar uma noite inteira debaixo do sereno, no frio, com fome, com alguém que te entende, que gosta de você e que saiba conversar com você, e está ali pelo seu valor, pelo que você é, não pelo que tenta provar ser, podendo ser amigo, namorado, um mendigo bangela da rua, em vez de ir em festa para fazer merda para mostrar pros amigos, para aumentar sua moral, aí você verá quem é seu amigo… e será surpreendido com violência… o como é se sentir pleno, feliz… Só nesse nível, sensível e invisível “tempo”… Saberá que a alegria não está no dinheiro, bebida e festa. Nessa busca infernal que nunca alcança satisfação. Ela, essa fulana doce e furor felicidade está em você, no “seu” fazer e no “seu” sentir. Não estão no glamour de uma gata bonita, cheia da grana, alguém pra mostrar para seus “parceiros”, ou da festa indo com nike shok e cavalera… Vai estar nas coisas simples. Pense no momento mais feliz que já passasse com seu namorado ou amigo. Pense se não foi um momento escandalosamente simples. Relembre. Eu sei que a sociedade é cruel, eu saio vestido de marcas também. Mas quando chegar nessa conclusão. Aí você verá que agora em diante vais encontrar sim sua “festa interna”. E não é “nos e pelos outros”, é naquela pessoa que encontro todo dia com a cara amassada e babada na frente do espelho, eu.
“Vocês se lembram o enxofre, a fogueira, as grelhas.. do inferno? Ah! que brincadeira. Não há necessidade de grelhas: o inferno são os “outros”!(Sartre)

Cristian Stassun